Sorietocse na Rocha

Standard

No passado fim de semana de 8 e 9 de abril de 2017, a nossa Tribo de Escoteiros realizou a sua atividade trimestral, em conjunto com a Tribo de Escoteiros do grupo 197 de Quelfes. Sábado, partimos de Olhão por volta das 9h da manhã, em direção à aldeia da Pena, o local onde íamos montar campo e passar o fim de semana. Após cerca de uma hora de viagem, com muita animação e cantoria, chegámos ao nosso destino e pusemos mãos à obra e demos início à montagem de campo. Por volta do meio dia e meio, demos a tarefa por terminada e reunimos para almoçar e preparar as mochilas para a caminhada que nos esperava da parte da tarde. Eram praticamente 14h quando saímos de campo em direção ao topo da Rocha da Pena, passando pelo lavadouro, onde os nossos escoteiros aprenderam um pouco dos hábitos da aldeia da Pena. O resto da tarde foi passada numa longa caminhada, mas muito divertida, onde os nossos Escoteiros mostraram aquilo de que são capazes e puseram à prova a sua resistência. Subimos o trilho e lanchámos à chegada ao topo da Rocha. Após a paragem para recarregar baterias, visitámos a muralha de rochas usada há muito tempo para defender o território e continuámos pelo trilho, para regressar à base da Rocha da Pena. Uma vez cá em baixo e após uma pequena sessão de fotos entre chefes e Escoteiros, seguimos caminho em direção a campo, pois o sol começava a pôr-se e as nossas barrigas já davam sinal que a hora do jantar estava próxima. Depois do jantar, dois elementos da nossa Tribo dinamizaram o fogo de conselho, que se pautou pelas gargalhadas constantes e houve, ainda, uma canção dedicada aos chefes. O que já não houve foi energia para um jogo noturno, pelo que os nossos Escoteiros se prepararam para ir dormir, pois o dia tinha sido longo e era preciso carregar baterias para o dia seguinte.

No domingo, a alvorada foi feita às 7h30 e, após o pequeno almoço, foi hora de um pouco de ginástica matinal, para acordar bem. Por volta das 9h, descemos até ao forno comunitário onde uma senhora da aldeia nos ensinou a fazer folar. Todos contribuíram e ajudaram em algumas tarefas, aproveitando o tempo também para cantar e fazer algumas animações e jogos. A massa dos folares precisava de fermentar durante cerca de 45min e só depois iria para o forno, pelo que aproveitámos esse tempo para proceder à desmontagem de campo, pois era uma tarefa na qual os nossos escoteiros não iam ajudar, ficando um chefe a colocar os folares no forno, de modo a que ninguém de queimasse. Com as tendas e as mochilas arrumadas, foi hora de encher a barriga com um almoço delicioso, após o qual nos deslocámos novamente ao forno comunitário, para ver os folares sair do forno. No final, agradecemos a ajuda à boa maneira escotista e visitámos um pouco da aldeia, onde uma poetisa da terra nos convidou a conhecer a sua casa. De regresso a campo, foi hora da casa ao ovo da Páscoa e de lanchar o belo folar que tínhamos feito. Fizemos o encerramento da atividade por volta das 16h e pouco depois chegou o autocarro que nos levaria de novo para Olhão. Com o material e as mochilas arrumadas, rumámos de novo à nossa terra, sempre com muita animação, apesar do cansaço que já se fazia sentir. Foi um fim de semana de confraternização e aprendizagem, que deixou vontade de voltar.

Chefia da TEs

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s